COTIA E A "GERAÇÃO TÓQUIO"

Por Dassler Marques

Se não conhece nenhum jogador de um time sub-20, olhe primeiro para os caçulas.

Esse critério básico de qualquer olheiro para iniciar uma observação se confirma no São Paulo campeão da Copa do Brasil Sub-20 com autoridade sobre um Atlético-PR de metodologia confusa. Há bons valores entre os tricolores mais velhos, nascidos em 1996, mas os mais jovens, oriundos do ano seguinte, é que podem realmente dar o grande salto nos próximos anos.

No gol, Lucas Perri, ex-Ponte Preta. No meio, o versátil Lucas Fernandes. E, na frente, o habilidoso David Neres e o potente Murilo. Os caçulas do treinador André Jardine, todos nascidos em 1997, são os que se credenciam para engrossar a extremamente promissora ‘Geração Tóquio’.

Os olhares neste momento estão todos voltados para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Mas quatro anos depois, na Olimpíada do Japão, é que o futuro se anuncia ainda mais promissor para o Brasil. Hoje, já se podem fazer projeções com base no presente. Mas, há quatro anos, elas simplesmente não existiam para 2016. Vejamos...

Ao fim do Brasileirão 2011, três jogadores foram eleitos como revelações: em terceiro lugar, o já rodado botafoguense Bruno Cortês; em segundo, o colorado Leandro Damião; em primeiro, Wellington Nem do Figueirense. Nem mesmo em uma lista com 20 novidades existiam apostas para a Geração Rio de Janeiro.

Quatro anos depois, já é possível fazer previsões animadoras para os Jogos de Tóquio. O palmeirense Gabriel Jesus e o santista Thiago Maia decidem a Copa do Brasil como jogadores essenciais de suas equipes. São, na avaliação da coluna, as principais revelações do Brasileirão 2015 que tem os corintianos Guilherme Arana e Malcom, ainda em plena formação e evolução, como figuras relevantes do campeão.

Há Gabriel, há Thiago, há Arana, há Malcom e...há Gerson. A dois jogos de se despedir do Fluminense, o garoto de R$ 60 milhões disputado por Barcelona e Roma se mudará para a Itália para tentar confirmar o que demonstrou nos melhores momentos do 2015 tricolor: os gestos técnicos do meia criado em Xerém saltam aos olhos, são muito acima da média.

Todos os citados são, acima de tudo, jogadores absolutamente precoces. Possuem, no mínimo, quatro temporadas que ainda podem ser consideradas como formativas. E, no próximo ano, vários outros talentos nascidos em 1997 ganharão mais espaço em seus clubes: Douglas (Fluminense), Matheus Sávio (Flamengo), Bruno Cosendey e Caio Monteiro (Vasco), Bruno Tabata (Atlético-MG/em litígio), Raul e Nicolas Careca (Grêmio) e Diogo Vítor e Caio (Santos) são alguns deles.

E ainda há, claro, os campeões de Cotia. Para um São Paulo que deverá usar a base ‘sim ou sim’ com um corte gigantesco de folha salarial em 2016, a possibilidade de se encontrar na base um jogador especial como Oscar, Lucas ou Casemiro estará entre...lembra-se da dica do olheiro? Sim, entre os caçulas.

PS.: Aqui, a lista de 20 revelações do Brasileiro 2011. Apenas o botafoguense Cidinho tinha idade para defender o Brasil nos Jogos do Rio. http://esportes.terra.com.br/veja-20-candidatos-a-revelacao-do-campeonato-brasileiro,8e48fa79ac49a310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html